Conheça o executivo do Facebook que saiu da periferia de Alagoas

Wesley Barbosa foi o executivo responsável pela vinda do Baidu ao Brasil e liderou uma startup responsável por jogos sociais como o famoso Colheita Feliz

Um alagoano trabalha atualmente no Facebook, no Vale do Silício. Antes disso, porém, ele foi o executivo responsável pela vinda do Baidu (um dos maiores sites de busca do mundo) ao Brasil e liderou uma startup responsável por jogos sociais como o famoso Colheita Feliz. Wesley Barbosa, com sua palestra “Pense dentro da caixa”, trouxe conhecimentos da neurociência para os visitantes da 7ª Feira do Empreendedor, para incentivá-los a fazer o que, segundo ele, é a chave para o sucesso: inovar com utilidade.

“Pensar dentro da caixa é habitar o seu habitat natural, o do seu conhecimento, ou seja, quando a gente fala que a necessidade é a mãe da inovação eu tô falando que para você inovar você precisa criar algo que sacie a necessidade. E se você quer criar algo que sacie a necessidade, você precisa conhecer esse algo”, afirma Wesley, complementando, ainda, que a base da inovação é o conhecimento. “Esse ter o conhecimento é onde você vai emergir”, finaliza.

Wesley Barbosa nasceu e se criou na periferia da cidade que já foi a mais violenta do Brasil e a quinta mais violenta do mundo, de acordo com a ONU: Maceió. Tendo se formado no curso de artes cênicas, na UFAL, ainda jovem decidiu que o destino de vários de seus amigos não seria o mesmo que o seu – se fosse o próximo a morrer, ao menos não morreria naquele lugar. Foi aí que decidiu começar a estudar inglês, o que mudou sua vida, pois abriu portas para sua vida no exterior.

Após desbravar a China, em 2012, na volta ao Brasil, assumiu o posto de gerente de negócios do Baidu — o segundo maior buscador do mundo. Foi estudar em Harvard. Em dezembro de 2013, passou a liderar a divisão de parcerias do Facebook no Brasil.

Atualmente, Wesley Barbosa é, sem dúvida, um caso de sucesso brasileiro – trabalhando no Vale do Silício, dedica-se também a estudar o cérebro para entender o comportamento humano, e é isso que compartilha em sua palestra. “A neurociência traz uma perspectiva mais assertiva porque nós estamos falando de um aspecto biológico do comportamento. Quando você entende como o cérebro humano funciona, fica mais fácil para você exercer qualquer coisa na sua carreira, no seu relacionamento pessoal ou na sua comunicação empresarial, afirma.

Segundo ele, por exemplos, o marketing, muitas vezes, não funciona porque não é pensado de acordo com a maneira como o cérebro funciona. “As pessoas não sabem o que elas querem. Elas só sabem após nós mostrarmos a elas”, afirmou. Mas como funciona o cérebro? Onde está o botão de compra nele? Segundo a neurociência, o cérebro reptiliano controla nossos instintos mais básicos e primitivos e é através dele que tomamos nossas decisões – inclusive as de compra.

Seria necessário, portanto, atingir esse cérebro para que o marketing produza, de fato, efeitos. Mas como fazer isso? Um exemplo básico é o simples uso do sinal do negativo antes dos números na hora de promover um desconto. “Por que usar o sinal negativo, por exemplo, como -20%? Nosso cérebro entende isso de uma forma negativa. Por que não colocar +20% de desconto?”, exemplifica.

fonte:http://www.administradores.com.br/noticias/carreira/conheca-o-executivo-do-facebook-que-saiu-da-periferia-de-alagoas/121708/